Alphonse de Lamartine – a fraternidade não tem pátria

 


  • Alphonse de Lamartine“A minha mãe acreditava, e eu penso o mesmo, que matar animais com o objectivo de comer a sua carne é uma das mais deploráveis e vergonhosas fraquezas do estado humano; que é uma daquelas pragas lançadas sobre o homem ou pela sua queda, ou pela teimosia da sua própria perversidade.” Alphonse de Lamartine
– Em “Les confidences”
  • “O olhar dos olhos de nossa mãe é parte de nossa alma, é o olhar que nos penetra por nossos olhos.”
– Le regard des yeux de notre mère est une partie de notre âme qui pénètre en nous par nos propres yeux.

– Les confidences – Página 25, Alphonse de Lamartine – Perrotin, 1849
– L’ égoïsme et la haine ont seuls une patrie; La fraternité n’en a pas!
– “Jocelyn: Épisode, Journal Trouvé Chez un curé de Village”; Por Alphonse de Lamartine; Publicado por s.n., 1850; Original da Oxford University; Digitalizado pela 19 jul. 2007; 103 páginas; books.google, página 386
– Alphonse de Lamartine; Geschichte der Girondisten [A história de Girondisten]
  • “Admiramos o mundo através do que amamos”.
– On admire le monde à travers ce qu’on aime.

– Œuvres de Lamartine, Volume 3‎ – Página 113, Alphonse de Lamartine – L. Hachette et Cie., 1866
  • “Eis a natureza que te convida e te ama; mergulha no seu seio que ela constantemente te oferece.”
– La nature est là qui t’invite et qui t’aime. Plonge- toi dans son sein qu’elle t’ouvre toujours.

– Méditations poétiques – Página 28, Alphonse de Lamartine – au dépôt de la Libr. grecque-latine-allemande, 1820 – 126 páginas

Alphonse de Lamartine

Origem: Wikiquote, a coletânea de citações livre.
Alphonse Marie Louis de Prat de Lamartine

Alphonse de Lamartine, ca.1865

Nascimento 21 de outubro de 1790
Mâcon, França
Morte 28 de fevereiro de 1869
Paris, França
Nacionalidade França francês(esa)
Ocupação escritor, poeta, político
Escola/tradição romantismo
Alphonse Marie Louis de Prat de Lamartine (Mâcon, 21 de outubro de 1790 – Paris, 28 de fevereiro de 1869) foi umescritor, poeta e político francês. Seus primeiros livros de poemas (Primeiras Meditações Poéticas, 1820 e Novas Meditações Poéticas, 1823) celebrizaram o autor e influenciaram o Romantismo na França e em todo o mundo.

Biografia

Filho de um conceituado capitão de cavalaria, Lamartine foi estudar em Lyon, voltando-se, desde a adolescência, para a poesia, com leituras de Horácio, Virgílio e Chateaubriand. Da educação de sua mãe, recebeu a dieta alimentar que, segundo nos parece por meio desta citação de Confidências (1854), o autor foi por toda vida vegetariano: “Minha mãe estava convencida, assim como foi sempre a minha convicção, de que matar os animais para nos sustentarmos com a sua carne e o seu sangue é uma das mais deploráveis e das mais vergonhosas enfermidades da condição humana; que é uma dessas maldições lançadas sobre o homem pelo endurecimento da sua própria perversidade.”

Em 1820 lançou seu primeiro livro, “Meditações” (Les méditations), inspirado num breve amor por Julie Charles, que morreu prematuramente.

Aclamado pela crítica, ingressou na carreira diplomática, o que lhe proporcionou viagens para Nápoles, Florença e Londres.

Frustrado, com a ascensão de Luís Filipe ao trono da França, em sua intenção de ingressar na carreira diplomática, retornou à poesia com Harmonias Poéticas e Religiosas (1830), Jocelyn (1836) e A Queda de um Anjo (1838).

Foi membro do governo provisório e ministro do Exterior em 1848. Depois de sua malsucedida candidatura às eleições presidenciais, escreveu apenas narrativas autobiográficas, terminando a vida em difícil situação financeira.

No fim da vida, o governo o socorre com uma renda vitalícia de 21 mil francos, a título de recompensa nacional. Lamartine morre em 1869, em uma casa que lhe fora doada.

“Admiramos o mundo através do que amamos.” – Alphonse de Lamartine.

Foi colaborador da revista Le Conservateur Littéraire.

 

Características literárias

Seus poemas são caracterizados por profunda melancolia, cujos temas freqüentes são religião e amor. Sua influência no Brasil pode ser encontrada em poetas como Castro Alves e Álvares de Azevedo

Obras

  • Primeiras Meditações Poéticas (Premières méditations poétiques, 1820)
  • Novas Meditações Poéticas (Nouvelles méditations poétiques, 1823)
  • Harmonias poéticas e religiosas (Harmonies poétiques et religieuses, 1830)
  • Viagem ao Oriente (Voyage en Orient, 1835)
  • Jocelyn, 1836
  • A Queda de um Anjo (La chute d’un ange, 1838)
  • Os retiros (Les recueillements, 1839)
  • História dos Girondinos (Histoire des girondins, 1847)
  • Confidências (Confidences, 1849)
  • Raphaël, 1849
  • Novas Confidências (Nouvelles confidences, 1851)
  • O Talhador de Pedras de Saint-Point (Le tailleur de pierres de Saint-Point, 1851)
  • Geneviève, 1851 – romance policial
  • Curso Familiar de Literatura (Cours familier de littèrature, 1855) – 28 volumes
  • A Vinha e a Mansão (La vigne et la maison, 1857) – considerada sua obra-prima do período final.
  • Historia de la Turquia 8 volumes, 1855
  • Regina (Novela)
  • Graziela (Novela)

Referências bibliográficas

  • VÁRIOS (1991), Poetas Franceses do Século XIX, Rio de Janeiro: Editora Nova fronteira. ISBN Organização e tradução de José Lino Gr¨newald. ISBN 85-209-0349-5
  • VÁRIOS (1998), Grande Enciclopédia Larousse Cultural, Editora Nova Cultural. ISBN 6112 p.
  • VÁRIOS (1981), Enciclopédia Barsa, Encyclopaedia Britannica Editores Ltda. ISBN 16 volumes
Alphonse de Lamartine
Alphonse de Lamartine
Fontes
Wikiquote Citações no Wikiquote

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s